Compostagem: produção de adubo caseiro e natural

0

Postado por admin | Postado em Dicas importantes | no dia 30-01-2013

Às vezes, o acúmulo de lixo orgânico em casa é muito grande e para quem possui plantas ou mesmo uma horta, esse é um prato cheio para a produção de adubos e fortificantes caseiros naturais. Afinal, o que pode ser melhor do que juntar o útil ao agradável?

Fazendo a mistura de restos de frutas, verduras e vegetais com pó de café, adubo e terra, por exemplo, o cultivador obtém um excelente fortalecedor para seu jardim, que deixa suas flores mais vivas e coloridas, de forma econômica e muito simples.

Esse processo é conhecido como compostagem e pode ser realizado mesmo em apartamentos, onde os espaços dedicados às plantas e hortas geralmente são limitados. Mesmo assim, a compostagem é tão fácil quanto o cultivo de uma planta mais simples, pois não exige muito tempo nem cuidados extremos.

Foto: Chef na Rede

A técnica ainda pode ser utilizada como uma forma de diminuir a quantidade de lixo despejado nas grandes cidades. Pois, além de ser fácil, a compostagem pode ser feita por qualquer pessoa e possibilita a todos levar uma vida mais saudável e consciente, deixando o meio ambiente em primeiro plano.

Para iniciar o processo, é necessária uma composteira, recipiente pequeno furado na parte de baixo e tampado na parte superior, especial para ser colocado em espaços compactos. Se bem montado, o pote não deixará mau cheiro no local nem atrairá insetos. Mas, caso aconteça, os bichos atraídos são as moscas de frutas, que vão embora em pouco tempo e alguns pequenos seres caminhantes, que permanecem no recipiente por este ser o ambiente ideal para sua sobrevivência.

Para evitar que cheiro da composteira incomode, coloque-a em um local bem ventilado, preferencialmente com um jornal embaixo, para evitar que a umidade a faça grudar no chão. Adicionar terra seca no fundo do recipiente também é uma boa forma de prevenir que o chorume vaze do pote.

Se o cheiro da composteira está muito desagradável, então há algo errado. Não podem ser usados restos de comidas cozidas, alimentos de origem animal, plantas doentes ou mesmo uma grande quantidade de cascas cítricas para a produção do adubo, estes não são os componentes ideais para as plantas. Portanto, use apenas sobras de frutas, legumes, verduras, cascas de ovos, filtros de pó de café e chá usados e restos do jardim, como galhos, palha, grama, flores e cascas de árvores.

Vai viajar? E as suas plantas como vão ficar?

0

Postado por admin | Postado em Como cuidar, Dicas importantes, Plantas em vasos dicas | no dia 17-12-2012

Quem ama flores e as cultiva em casa, geralmente, entra em um dilema antes de viajar: o que fazer com as plantas? Isso porque elas, assim como os animais de estimação, precisam receber cuidados e não podem ser deixadas de lado.

Na tentativa de resolver o problema antes da viagem, algumas pessoas optam por encharcar vasos, acreditando que com bastante água, as flores se manterão regadas durante a sua ausência. A atitude, porém, não é recomendada. Isso porque os vegetais absorvem apenas o que é necessário para sua sobrevivência no momento e, dessa forma, a água que resta fica acumulada no vaso, causando muitas vezes o apodrecimento da raiz ou mesmo a morte da planta.

Foto: Flickr

Felizmente, existem outras soluções mais viáveis e capazes de manter a planta viva e saudável até a volta. Quer saber quais são? Veja a seguir!

Opção 1

Para viagens rápidas, há uma alternativa bem simples, que pode ser feita em casa e com materiais utilizados no dia-a-dia. As garrafas plásticas, por exemplo, permitem a criação de um sistema de irrigação eficaz e fácil de ser manuseado.

Funciona assim: pegue uma garrafa pet e faça um furo em sua tampa – o mesmo não pode ser grande ou pequeno demais. Este furo servirá como irrigador da planta. Depois de ter feito essa parte do processo, encha o recipiente com água e o enterre de cabeça para baixo no vaso. Para tirar um pouco da pressão da garrafa, faça um furo também em sua parte superior.

Outra alternativa é deixar as flores na varanda em um local estratégico, onde a mesma não esteja exposta a uma quantidade demasiada de sol e consiga pegar o sereno da noite. Esta técnica é menos garantida do que a anterior, mas também funciona.

Opção 2

Se você não quer construir seu próprio irrigador, adquira um gotejador. Ele mantém a planta úmida e saudável por bastante tempo e disponibiliza a quantidade de água correta para seu desenvolvimento.

O produto pode ser encontrado em vários mercados e, além de acessível, é ainda melhor que o caseiro por irrigar a planta por até quinze dias. Outra alternativa viável é o dry water, um gel basicamente composto de água igualmente conhecido como suplemento de irrigação. Ele libera lentamente umidade para a planta, que chegando em sua raiz transforma-se em líquido e possui duração de 30 a 90 dias.

Opção 3

Em último caso, em determinadas cidades existem os hotéis para flores. Se prefere que sua planta seja cuidada por uma pessoa, deixe-a em um desses locais. No Brasil, a empresa mais conhecida do ramo é a Bonsakai, que cuida especificamente de Bonsais e cobra a taxa diária de apenas R$ 1,00.

Outra possibilidade é deixar suas plantas sob os cuidados de um amigo ou vizinho, que também seja apaixonado por flores. Dessa forma, suas plantas serão bem cuidadas e estarão lindas e saudáveis quando você voltar.

Homens e flores? Como presenteá-los com um arranjo ou buquê

2

Postado por admin | Postado em Dicas importantes | no dia 14-12-2012

Flores simbolizam diferentes sentimentos e, por isso, podem servir como presente para variadas ocasiões diversificadas. Mas, já parou para pensar que é raro alguém surpreender um homem com um arranjo oubuquê de flores?

Em sua maioria, as flores são dadas às mulheres, como uma amostra de romantismo, amizade ou como uma forma de demonstrar os sentimentos sobre uma situação delicada. Entretanto, assim como as mulheres, alguns homens também apreciam receber flores e adorariam ser presenteados com um buquê de rosas vermelhas ou lírios brancos.

Se você deseja presentear seu parceiro, amigo ou mesmo um parente querido que está passando por um momento difícil, não hesite em dar a ele algumas flores como símbolo de seus sentimentos e afeto.

Foto: Picstopin

Se gostou da ideia, confira a seguir algumas dicas que ajudarão na hora de escolher a melhor espécie para a pessoa especial!

Dica 1: o primeiro passo para não errar quando for presentear um homem com um buquê de flores é descobrir de que tipo de planta ele gosta, tem preferência ou apenas acha legal. Assim, as chances de cometer uma gafe são menores;

Dica 2: se não está seguro(a) em relação às flores, dê também outro presente juntamente com o buquê ou arranjo. Dessa forma, se o presenteado em questão não apreciar muito o ato, ainda terá outro presente que o deixará mais feliz. Uma bebida, uma cesta de café da manhã, um escudo do time para o qual ele torce ou mesmo uma caixa de bombom. O que vale é surpreender;

Dica 3: você sabia que cada espécie de flor possui um significado diferente? E suas cores? Se não sabia, confira a seguir o significado de algumas das flores mais populares entre o público masculino:

- Camélias Brancas: demonstram o quão querida é a pessoa presenteada com flores;

- Camélias rosas: simbolizam o desejo de quem as deu por quem as recebeu;

- Camélias vermelhas: declaração de paixão pelo presenteado;

- Cravos: fascinação e amor;

- Flor de lis: esperança e amizade intensa;

- Flor de laranjeira: inocência, amor duradouro e matrimônio;

- Gerânio: geralmente associado com o quarto ano de casamento e conforto;

- Girassol: adoração e alegria;

- Magnólias: dignidade e nobreza;

- Margaridas: inocência, amor leal e pureza;

- Lírios brancos: representa a satisfação daquele que presenteia em estar com a pessoa em questão, um amor puro;

- Orquídeas: associadas ao 28º aniversário de casamento, simbolizam também amor e beleza rara;

- Tulipas: amante perfeito.

Agora que você conhece o significado das principais opções de flores para presentear um homem, certamente será mais fácil escolher um buquê ou arranjo que demonstre todas as suas intenções com o gesto.

Ecologia e sustentabilidade: saiba como cultivar árvores nativas

0

Postado por admin | Postado em Dicas importantes | no dia 28-11-2012

Cultivar uma árvore nativa pode ser menos complicado do que parece, principalmente quando quem adquiriu a planta deseja cuidá-la e mantê-la sempre bela e saudável. Para que isso aconteça, basta apenas um pouco de conhecimento sobre a espécie escolhida, paciência e carinho.

Se ainda não decidiu qual árvore nativa deseja cultivar, a seguir encontram-se algumas das espécies mais comuns encontradas no Brasil e dicas sobre seu cultivo.

 Foto: Projeto Ipê

Cedro

Nome científico: Cedrela Fissilis Vell

Especificação: Presente em todo o país, a espécie é comumente encontrada de Minas Gerais à região sul do Brasil. Chegando a medir de vinte a trinta e cinco metros de altura, a árvore é bastante utilizada para reflorestamento e paisagismo em parques e grandes jardins.

Devido ao ataque de brocas (vermes que atacam certas raízes), o Cedro não deve ser plantado em agrupamentos homogêneos. Para evitar que a planta sofra com isso, plante-a ao lado de outras espécies, preferencialmente se forem nativas, e de acordo com a finalidade do plantio.

Ipê

Nome científico: Tabebuia

Especificação: Encontrada em todo o Brasil, a espécie é composta por flores brancas, amarelas, rosas e roxas. Por florescerem no final do inverno, deixam a paisagem cinza típica da época bem mais viva e chamativa.

A floração da árvore se inicia geralmente em agosto, mas pode mudar de acordo com a intensidade dos fatores climáticos. Por ser tão marcante e chamativa, as flores do Ipê atraem abelhas e pássaros como o beija-flor, muito importantes para sua polinização.

Para cultivar a planta, o mais indicado é plantar as sementes em um ambiente ventilado, enquanto a condução das mudas deve ser realizada ao sol.

Guanandi

Nome científico: Calophyllum brasiliense

Especificações: Primeira árvore a receber o título de “madeira de lei” no Brasil, o Guanandi pode ser facilmente encontrado em todo o território nacional. A espécie é considerada do tipo nobre, por isso, sua valorização cresce a cada dia.

Graças à sua durabilidade e coloração viva, o Guanandi pode ser o substituto do mogno no mercado de madeiras nobres e de alto padrão. A árvore pode ser usada para reflorestamento em áreas úmidas, pois não apodrece dentro d’água e aceita climas mais rigorosos. Dessa forma, a espécie é bastante maleável e resistente e, por isso, não necessita de maiores cuidados.

Passo a passo para plantar orquídeas em árvores

6

Postado por admin | Postado em Dicas importantes, Orquídeas como cuidar, Sem Categoria | no dia 14-11-2012

A beleza para lá de delicada das orquídeas encanta facilmente as pessoas apaixonadas por flores. Justamente por isso, é muito comum encontrarmos esta planta nos jardins de casas, em qualquer lugar do país.

Para embelezar ainda mais o seu quintal, muitos moradores optam por cultivar a orquídea em árvores, o que exige maior atenção e cuidados, ao contrário do que acontece com as plantas cultivadas em vasos e arranjos.

Foto: Sarzedo Ecologia

Alguns detalhes devem ser considerados, principalmente durante a fase de adaptação, que é quando a orquídea precisa receber, de forma prática e segura, os nutrientes necessários para o seu desenvolvimento saudável. Nesse sentido, o substrato próximo às raízes da planta deve ser mantido em um suporte preso à árvore.

Para saber mais informações a respeito de como plantar e cuidar de sua orquídea na árvore, confira a seguir algumas dicas úteis que vão mantê-la sempre firme e bonita:

- Primeiramente, adquira o material necessário para cultivo, ou seja, uma placa de fibra de coco, seis pregos tamanho 17×21, um martelo comum, uma tesoura, um par de luvas de vinil e uma orquídea phalaenopsis, que deve ser plantada em um local atingido pela luz solar apenas de manhã ou fim da tarde;

- Após a aquisição de todos os materiais, retire a orquídea do vaso com bastante cuidado para que o substrato não caia e deixe à mostra suas raízes;

- Em seguida, meça a largura das raízes da orquídea, cortando, em seguida, a placa de fibra de coco em linha reta, a fim de adquirir a faixa que irá envolver a planta;

- Já cortada, molde a fibra para que fique na forma de um cachepô;

Foto: Delas.ig

– O próximo passo é encostar a orquídea no tronco da árvore, cobrindo o substrato com a placa, deixando de fora o caule e as folhas;

– Depois de fixar a placa na orquídea, bata um prego em cada lado da planta para deixá-la bem presa à árvore. Mas tenha cuidado para não sufocar a flor com o suporte. Atença redobrada nesta etapa;

– Quando a orquídea for muito pesada, fixe também seu caule na árvore. Para isso, ponha um prego em cada lado do caule e amarre uma fita ou corda em volta;

– Dê preferência a árvores com troncos rugosos de no mínimo 60 centímetros de diâmetro, ele facilita a fixação da orquídea, cujo processo leva em média de dois a três meses.

Para saber quando a planta encerrou seu processo de fixação, observe se suas raízes estão presas à casca da árvore e se os musgos estão encobrindo a sua superfície. Somente em casos afirmativos, será possível retirar o suporte que sustentava a orquídea até então.

Depois de fixar a planta ao tronco da árvore, o mais importante é cuidar das regas. No caso das orquídeas phalaenopsis, vale lembrar que não há necessidade em encharcá-las, variando a quantidade de água de acordo com a estação do ano.

Dessa forma, a planta permanecerá bela por muito mais tempo, cumprindo o seu papel em qualquer jardim: deixando-o ainda mais alegre e bonito.

Saúde do jardim: como cuidar das flores durante o verão

0

Postado por admin | Postado em Dicas importantes | no dia 07-11-2012

Na primavera, os jardins se enchem de vida e se tornam ainda mais convidativos à observação por sua beleza. Entretanto, na estação seguinte, durante o verão, mesmo que a temporada seja vantajosa às plantas, os cuidados a serem tomados devem ser redobrados.

Isso porque a intensidade dos raios solares aumenta e, com ela, deve ser maior também a irrigação das plantas. Por isso, a fim de manter o jardim sempre saudável, nada melhor do que aproveitar o tempo que, na maioria das vezes, é ameno e estável no período da manhã e do final da tarde para molhar as flores.

 Foto: Flickr

Assim, ao chegar em casa após um cansativo dia de trabalho ou de estudos, você pode se refugiar em um ambiente colorido, leve e natural, capaz de manter a harmonia e o equilíbrio de seu lar sempre em alta de forma econômica e acima de tudo, sustentável.

 Foto: Flickr

A seguir você pode conferir outros cuidados que ajudam a manter a saúde e beleza das plantas no verão:

– Deixe suas flores em locais arejados e frescos, evitando uma exposição exagerada aos raios solares;

– Corte meio centímetro das hastes das plantas no pé. Dessa forma, elas conseguem absorver melhor a água;

– Pingue algumas (poucas) gotas de água sanitária quando for realizar a irrigação nos vasos. Assim, a água fica limpa por mais tempo;

– Para prevenir as chamadas pragas de jardim, aplique mensalmente fungicidas e inseticidas orgânicos nas folhas e na terra do vaso (nunca nas flores);

– As flores que melhor suportam a intensidade do verão são a mussaenda, manduirana, primavera, manacá da serra, lágrima de cristo e capucinha. Contudo, vale lembrar que com os devidos cuidados, é possível manter a beleza e vida dos jardins durante o verão, independente dos tipos de flores que o compõem.

Dessa forma, o verão, em sua casa, pode ficar mais arejado e o seu jardim cada vez mais bonito!

Jardim em casa: quais as plantas vivem bem em vasos de flores?

0

Postado por admin | Postado em Dicas importantes, Plantas em vasos dicas | no dia 31-10-2012

Cultivar flores é um passatempo bastante saudável. As plantas, além perfumarem o ambiente, funcionam como uma decoração natural e refrescante, excelente para deixar qualquer casa ou apartamento muito mais alegre e acolhedor.

O problema surge quando não há espaço disponível para o cultivo das flores, ainda mais atualmente, época em que os imóveis estão cada vez menores e, geralmente, sem grandes jardins.

Felizmente, os apaixonados por plantas têm uma solução, simples e prática: os vasos de flores, que ocupam pouco espaço e podem ser colocados no local de acordo com as suas preferências.

Na hora de escolher as flores e os vasos onde elas serão plantadas, é preciso, contudo, conhecer as espécies mais indicadas para este tipo de cultivo. Por isso, preparamos este post que apresenta as flores mais comuns e que as mais se adaptam à vida em vasos. Dessa forma, você pode tratar as plantas do jeito que elas merecem: com atenção e carinho!

Violeta Africana: adapta-se facilmente à vida em vasos e não necessita de cuidados excessivos, pois requer apenas solo bem adubado e luz solar em quantidade controlada. As regas são igualmente simples, sendo necessário apenas não deixar água acumulada no prato, para que as suas raízes não apodreçam;

Begônias: também têm cultivo bastante simples. Aguentam sol forte e exigem apenas uma rega por dia, porém, para seu desenvolvimento pleno e correto, é necessário um solo rico em matéria orgânica. Assim como as regas das Violetas, não se deve permitir que o solo fique encharcado para que as raízes permaneçam sadias;

Orquídeas: embora um pouco mais sensíveis, elas se adaptam facilmente à vida em vasos. Para seu cultivo, é necessário pouca exposição ao sol, regas sob medida e proteção contra ventos muito fortes. A umidade do local também influencia na saúde da planta, portanto, evite deixá-la em locais muito quentes.

Agora, é só escolher a flor que você mais gosta (e por que não as três?) e vasos decorados de acordo com a sua preferência e estilo para decorar a sua casa!

 

Foto: Flickr

Como cuidar e preservar a delicadeza das Orquídeas

0

Postado por admin | Postado em Dicas importantes | no dia 26-10-2012

Por ser uma planta bastante delicada e frágil, muitas pessoas acreditam que para cultivar uma orquídea requer técnicas e segredos excessivos. No entanto, a realidade é que com técnicas adequadas, é possível preservar a beleza e delicadeza desta planta tão admirada no Brasil.

Nesse sentido, manter sempre limpo o ambiente onde o vaso com a flor será colocado é o primeiro passo para fazer com a mesma esteja sempre bela e saudável. De preferência, se houver espaço monte um viveiro para as orquídeas. Assim, o controle de temperatura, umidade e higienização do local ficam mais práticos e, ao contrário do que pode parecer, não é caro.

Foto: Flickr

Dessa forma, se torna possível o cultivo não apenas de orquídeas, mas de outras plantas que necessitem de um espaço direcionado e específico para seu bem-estar. O importante, contudo, é lembrar que é preciso evitar pendurar outras espécies acima das orquídeas, já que parasitas podem ser carregados pela água e contaminar as flores.

Evite também deixar as orquídeas muito próximas umas das outras, a fim de permitir a circulação do ar no lugar escolhido e entrada da luz adequada para o desenvolvimento das folhas e flores das plantas.

Procure garantir que o viveiro receba a luz da manhã ou do fim da tarde, pois estes raios solares garantem a saúde do vegetal. Porém, impeça que as plantas o recebam diretamente, controlando a luminosidade de acordo com a espécie da orquídea.

 Foto: Flickr

Um dos maiores empecilhos na criação de orquídeas é, provavelmente, a temperatura ambiente. A maioria das espécies suporta de 15 a 25ºC, ou seja, em locais muito quentes a climatização do ambiente é indispensável. Mas, há sempre a possibilidade de optar entre as espécies provenientes de regiões tropicais.

Por isso, ao manter o ambiente das orquídeas sempre limpo, arejado e organizado, o cultivo da planta pode ser mais simples, mantendo a sua beleza e saúde impecáveis.

Como cuidar de seu Bonsai e deixar a planta sempre bonita

0

Postado por admin | Postado em Bonsai como cuidar, Dicas importantes | no dia 26-09-2012

A palavra Bonsai provém do japonês e significa “árvore em bandeja”. A planta, que apesar de ser bem pequena, requer cuidados especiais para estar sempre saudável e bem desenvolvida. Só assim, sua beleza tão admirada será alcançada. As medidas para o cultivo de um Bonsai, no entanto, são bem simples e não exigem conhecimentos especiais. Confira as principais dicas, que a Ikebana Flores preparou para você!

Foto: Flickr

 

 

 

 

 

 

 

Onde o seu Bonsai deve ficar

A escolha do lugar onde será disposto o Bonsai é muito importante para que a planta seja bem cuidada. A exposição ao sol matinal, por exemplo, é essencial ao seu desenvolvimento saudável. Por isso, colocá-lo na varanda, próximo a janelas e portas que recebam os primeiros raios de sol é uma boa opção.

Em contrapartida, colocar o Bonsai sobre eletrodomésticos não é aconselhável. Isso porque o calor emitido por estes aparelhos são prejudiciais à sua saúde, e o mesmo vale para a exposição ao ar condicionado, vento excessivo e contato direto com a chuva.

Outro cuidado importante é mudar a planta de lado a cada dois meses, o que facilita o seu crescimento, permitindo que ela se desenvolva e evolua de forma proporcional.

 Foto: Flickr

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando regar o Bonsai

A frequência das regas do Bonsai varia de acordo com o clima. Em dias mais quentes e secos, por exemplo, a planta pode ser regada até duas vezes ao dia, preferencialmente uma vez durante a manhã e outra à tarde. Em dias normais, a rega pode ser feita apenas uma vez no início ou no fim do dia.

Assim como a falta de água, o excesso de regas não traz nenhum benefício à planta. Por isso, a atividade deve ser feita apenas quando o solo já estiver seco. Por isso, antes de regar um Bonsai, é preciso verificar a umidade da terra, o que pode ser feito a partir de um toque. Dessa forma, será possível mantê-lo úmido na medida certa, mas nunca encharcado ou seco demais.

Outra informação bastante relevante aos cultivadores da planta é que muitos Bonsais morrem por excesso de rega. Por isso, o cuidado nesse sentido é tão necessário.

Quando e como fazer a poda do Bonsai

A poda do Bonsai deve ser feita em duas partes e de maneira bem específica, tanto nas folhas quanto nas raízes. A poda das folhas serve para manter o crescimento adequado dos ramos. Para obter o efeito esperado, os galhos devem ser aparados apenas quando tiverem 10 ou mais pares de folhas, reduzindo esse número para no máximo 4 pares. Assim, a planta poderá receber luz solar em toda sua extensão.

A poda das raízes permite que a planta alcance a fase adulta sem crescer demais. Para realizar esta tarefa, o primeiro passo é retirar o vegetal do vaso e podar suas raízes inferiores, nunca as laterais. Em seguida, será possível devolvê-la ao vaso e preencher os espaços vazios com terra.

A poda das raízes deve ser realizada anualmente em Bonsais de até três anos. Após este período, a poda pode ser feita de cinco em cinco anos.

Como montar uma floricultura

0

Postado por admin | Postado em Dicas importantes | no dia 31-07-2012

Para se consolidar como florista no mercado é preciso avaliar desde a localização, público alvo, entre outros fatores, imprescindível também fazer um plano de negócios a curto e longo prazo. É importante destacar a importância da escolha de um bom material a ser comercializado: embalagens, cartões de mensagens, entre outros.

Quando o assunto é floricultura, alguns fatores são primordiais e impactam na prosperidade de um bom investimento: a escolha de uma equipe qualificada para atender as expectativas dos clientes, captar bons serviços de entrega de flores através de empresas que terceirizam serviços de motoboys, cursos para aperfeiçoamento do ofício de se fazer arranjos, vasos e decoração de ambientes diversos. Além disso, para ser bem sucedido em um comércio altamente sazonal como o dos floristas, é necessário estar disposto a avaliar a concorrência, e estar precavido à quantidade certa de produtos para suprir a essas demandas em datas comemorativas.

Atualmente, outro grande destaque no mercado dos floristas são as chamadas lojas virtuais, pois os floristas exibem sua variedade de produtos no site, e disponibilizam a comodidade ao cliente em relação aos serviços de entrega de flores. Para atender as necessidades do mercado virtual, é preciso apurar o assunto através de cursos e palestras, e oferecer aos clientes não só um site oficial, mas serviços de redes sociais.

Contudo, esses são somente alguns dos pontos a ser ressaltado para quem deseja atuar nesse ramo.