Árvores urbanas: por que plantar e quais as espécies mais indicadas

ico admin ico 19/11/2020

Você sabia que Belo Horizonte é a terceira cidade mais arborizada do Brasil e a mais verde do Sudeste?

Conforme o Inventário das Árvores de Belo Horizonte, realizado pela prefeitura, a capital mineira tem mais de 300 mil árvores catalogadas em seu território. O número é tão expressivo que confere a BH o título de “Cidade Jardim”. 

Mas, qual a importância das árvores na paisagem urbana e na qualidade de vida das pessoas? É o que você vai saber com a leitura desse artigo. Continue a leitura e descubra. 

Benefícios das árvores em áreas urbanas

As árvores retiram água do solo e transpiram pelas folhas, contribuindo para melhorar a umidade e a qualidade do ar. E mais: elas também retiram a poeira e o excesso de carbono da atmosfera. 

Cidades arborizadas conseguem manter a temperatura mais agradável e diminuem a sensação de sufocamento provocada pelo concreto. Por isso, a redução de áreas verdes interfere diretamente no clima. 

A presença de árvores nas cidades também contribui para as espécies animais, pois abrigam os pássaros, responsáveis por espalhar sementes e controlar a população de insetos. 

Além de embelezar ruas, parques e avenidas, as árvores transmitem a sensação de bem-estar físico e psicológico. Sem contar no privilégio do contato com a natureza e de eventuais flores, frutos e sombra que elas proporcionam. 

Espécies mais frequentes em Belo Horizonte

O Inventário das Árvores de Belo Horizonte começou a ser realizado em 2011, em parceria com a Universidade Federal de Lavras. Até 2018, o estudo cadastrou mais de 300 mil árvores na capital mineira. 

No entanto, a expectativa é que somadas às árvores presentes em parques e logradouros, o número chegue a mais de um milhão. 

Conforme a Secretaria de Município de Meio Ambiente, as espécies catalogadas até a atual etapa do censo estão em logradouros públicos. 

Ainda não foram contabilizadas as árvores dos parques, das áreas verdes e dos quintais particulares. 

Árvores frutíferas

As espécies de árvores frutíferas mais frequentes na cidade são:

  • goiabeiras;
  • mangueiras;
  • pitangueiras;
  • jaboticabeiras;
  • oitizeiros;
  • amoreiras;
  • limoeiros;
  • romanzeiras;
  • coqueiros e
  • aceroleiras.

Árvores floríferas

O levantamento da prefeitura de BH informa que, entre as 302 espécies de árvores floríferas já catalogadas no município, as mais comuns são:

  • sibipiruna;
  • murta;
  • quaresmeira;
  • ipê-rosa;
  • resedá;
  • pata de vaca;
  • ipê-tabaco
  • magnólia;
  • escumilha africana e
  • ipê-amarelo.

A atualização mais recente do inventário informa que 60% do trabalho foi concluído nas regiões Centro-Sul, Oeste, Noroeste e Leste da capital mineira, além de parte da Pampulha. 

Espécies mais indicadas para plantio em áreas públicas

Embora a presença das árvores nas cidades seja fundamental para garantir a qualidade de vida, alguns cuidados precisam ser observados antes de plantar uma muda na sua calçada ou jardim.

O motivo é que o plantio de árvores nas cidades deve ser orientado por especialistas, pois algumas espécies não se adaptam bem ou são prejudiciais a outras árvores nativas.

Uma característica que deve ser considerada é o porte da árvore escolhida. Ela precisa estar de acordo com o relevo urbano, pois muitas raízes acabam danificando o passeio público. 

Árvores de grande porte também podem ser prejudiciais à rede de energia elétrica. Portanto, antes de escolher qual espécie plantar, entre em contato com a prefeitura da cidade para receber orientação. 

Após escolher a árvore certa para o espaço disponível, procure sua floricultura de confiança para adquirir mudas de qualidade.

Confira a seguir algumas características das espécies mais indicadas para o plantio em áreas urbanas:

1. Ipê-amarelo (Tabebuia serrafitolia)

Comumente conhecido como pau d’arco, o ipê é natural da Mata Atlântica brasileira. Apesar de crescer de forma lenta e gradual, esta espécie pode chegar até 20 metros de altura e é bastante ornamental. 

2. Ipê-roxo (Tabebuia avellanedae)

Por serem da mesma família, o ipê-roxo tem as mesmas características do amarelo, porém, cresce mais. Um ipê-roxo costumam chegar aos 25 metros de altura. 

3. Resedá (Lagerstroemia indica)

Em muitas regiões é conhecida como extremosa ou escumilha e é originária da Índia. Suas flores têm coloração intensa e costuma se desenvolver em locais de clima frio, como a região Sul. 

4. Cássia (Cassia spectabilis)

De baixa estatura, a Cássia alcança no máximo oito metros. Porém, seu crescimento é rápido, motivo que leva muitas pessoas a optarem por ela na hora de plantar. 

5. Quaresmeira (Tibouchina granulosa)

Floresce entre janeiro e abril, período da quaresma, por isso vem daí seu nome. É uma espécie mais abundante nos estados da Bahia, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. É uma espécie muito apreciada devido à beleza de sua floração. 

6. Manacá-da-Serra (Tibouchina mutabilis)

Natural da Mata Atlântica, atinge até 12 metros de altura. A espécie é muito comum no Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Rio de Janeiro. 

7. Pata-de-vaca (Bauhinia forficata)

Produz flores muito bonitas e costuma coloridas a cidade em tons branco, rosa e lilás. É uma árvore genuinamente brasileira e bastante comum na Bahia, Ceará, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Caarina e São Paulo. Também é encontrada na paisagem urbana de países como Paraguai, Bolívia, Uruguai e Peru. 

8. Sibipiruna (Caesalpinia peltophoroides)

Outra espécie nativa da Mata Atlântica, a Sibipiruna atinge grande porte e chega facilmente aos 20 metros. Tem grande longevidade e pode chegar aos 100 anos. Não tem raízes agressivas ao mobiliário urbano e sua floração é intensa, com boa sombra. Porém, deve-se evitar a proximidade com a rede elétrica. 

Essas são algumas espécies mais indicadas para o plantio na cidade. Porém, se sua intenção é plantar diretamente no pátio ou na calçada, escolha árvores de pequeno porte como Marinheiro (Trichilia cathartica), Ipê-Mirim (Stenolobium stans), Candelabro (Erytrina speciosa), Flanboyant Mirim (Caesalpinia pulcherrima), Cambuci (Campomanesia phaea) ou Pitangueira (Eugenia uniflora).

Deixe um comentário